Páginas

sábado, 2 de setembro de 2017

Um pênis de duas cabeças

Google imagens

- Toda noite eu acordo com sua mão no meu pênis. Aquilo já estava virando um pesadelo. Eu não aguentava mais ver o meu próprio corpo ser violado daquela maneira. Não queria ser tocado daquele jeito, não queria ser estimulado por ele, seu juiz...
- Toda noite é a mesma agonia. Eu demoro a dormir... tento dormir depois dele, mas ele sempre dá um jeito de acordar e me masturbar enquanto eu durmo. Ele diz que o meu pênis é dele, que ele tinha direito sobre o meu corpo. Mas isso é um absurdo! Eu não aguento mais aquilo e, por isso, procurei a justiça...
O outro ouvia tudo aquilo calado.
- E parece que tudo piorou. Durante o banho, com a desculpa de limpar, ele aproveita e me toca daquele jeito imundo. Eu reclamo, ele para, mas volta. E ainda vê pornografia na minha frente... eu nunca gostei disso, seu juiz, mas ele sempre foi tarado!


No julgamento, o juiz analisa o caso dos irmãos siameses que dividem o mesmo pênis. 

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

O rolezeiro

Google imagens


– Bora, cara! A gente vai se atrasar.
– Calma. Tô terminando aqui.
– Que merda, velho. Parece uma mulher se arrumando... puta-que-pariu!
– Parceiro, eu tô terminando aqui.

Na festa, todas mulheres olham pra ele. Estava de bermuda branca, camiseta de marca comprada no camelô do Alecrim, elásticos coloridos num aparelho que não precisava usar, óculos espelhados - apesar de ser noite - e um corte de cabelo bem peculiar.
– Tá vendo, parceiro? Todas as mulheres estão me olhando...
– Percebi.
– Quer fazer uma aposta?
– Que aposta?
– Quem pegar mais mulher aqui na festa come o cu do outro?
– Como é? Olha as ideias!
– Bora? Sabe que vai perder, né?
– É impossível você pegar mais mulher que eu aqui.
– Então bora apostar o cus!
– Tá apostado, então.

Duas horas depois, a Festa dos anos 80’ terminou. O rolezeiro não pegou uma mulher sequer. O amigo, que não estava interessado em perder a aposta, mas, ao mesmo tempo, não tinha pretensões de ficar com muitas meninas, ficou com uma garota com quem trocou telefone e promessas de reencontros.

– Porra, parceiro... Não sei o que aconteceu hoje. Toda festa que eu vou as minas ficam loucas comigo.
– Mano, você tem que analisar cada situação. Tem que saber qual é o público da festa. Tava na cara que você não ia pegar ninguém vestido desse jeito.
– Foda. Agora já era, vou ter que te dar o cu.
– Relaxa, cara. Quero comer teu cu não.
– Como é?
– Não quero comer teu cu! Só apostei porque sabia que você ia perder.
– Que papo é esse, parceiro?
– Ué?

– Aposta é aposta... pode botando esse pau pra fora e comendo meu cu, parceiro!

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

O sacrifício animal e a hipocrisia humana

Sobre o 'sacrifício de animais' em religiões

Pois bem, parece que agora todos os comedores de carne estão preocupados com os animais.
Aqui vão algumas considerações minhas sobre a vaquejada e, principalmente, sobre o tal sacrifício de animais.
O ser humano depende de animais para sobreviver. Isso é fato. Pesquisadores afirmam que nosso cérebro só se desenvolveu quando passamos a comer carne. Além disso, os animais nos ajudaram e ainda ajudam muito na lavoura, nos servem de guias, de amigos, de alimento e diversão.
O problema é que algumas dessas diversões acabam maltratando os animais. Na verdade, talvez todas as formas de diversão humana que envolvam animais é, em certo grau, ruim para os bichinhos.
Ouvi e li alguns argumentos sobre a vaquejada. Chegaram a comparar os maus tratos dos bois e cavalos com o tratamento de madame que alguns pets recebem. Bom... não queria entrar no mérito da vaquejada, mas, convenhamos, que é melhor ser maltratado com lacinho, carinho e biscoitos do que com seu rabo quebrado e seu coro enfiado por esporas, né?
Mas o texto trata do ‘sacrifício de animais’... porque, então, falar de vaquejada? Simples, pra deixar bem claro que não são a mesma coisa.
Partindo das religiões afro, algumas das inúmeras que praticam o sacrifício animal, podemos entender este ato não como diversão ou como mero rito religioso. Nos terreiros, o animal sacrificado serve para alimentar. Acredita-se que o animal utilizado na alimentação sagrada não deve sofrer – ou deve sofrer o mínimo possível. O animal abatido nos terreiros recebe um tratamento mais ‘humanizado’.
Na sua igreja ou religião, animais também precisam ser sacrificados. Sim... Quando você compra um cachorro quente na cantina, quando você faz um churrasco de batizado, quando você consome carne, um animal foi sacrificado, abatido. Celebramos o nascimento de Cristo com animais mortos em nossas mesas... estes animais, muitas vezes, foram torturados e mortos de forma violenta para a gente lembrar Jesus.
Até você que não tem religião é responsável pelo sacrifício de animais. Até você que não come carne, mas come jujuba, veste lã, couro...
É muito difícil encontrar grupos que não dependam de animais... até mesmo os veganos, que tentam não consumir produto animal, acabam, também, sendo responsáveis pelo sofrimento dos bichos, pois são eles quem ajudam a lavrar a terra, que puxam a carroça... enfim...
Há algumas diferenças gritantes entre a carne que compramos no mercado e a carne utilizada nas festas do Candomblé, por exemplo. O frango que a gente come no domingo passou a vida numa gaiola, teve seu bico arrancado... muitas vezes, nunca viu o sol... pior, nunca ciscou, caçou uma minhoca.
Se você entrar num terreiro um dia, vai ter de conviver com animais soltos... galinhas que ciscam, bodes que brincam como cães... Na hora da morte, seu sofrimento é amenizado. Quando as pessoas consomem a sua carne, elas reverenciam aquela vida que foi morta para que os humanos fossem alimentados.
Aquilo que vi muito na infância e existe por aí de galinha morta na rua, em cima de farofa, cachaça etc... aquilo não é um ritual sagrado, aquilo não é Candomblé, não é Umbanda... aquilo é uma coisa que inventaram e os ignorantes que praticam acreditam que faz algum bem a eles... Aquilo é tão combatido dentro dos terreiros sérios quanto nas igrejas e em qualquer discussão de gente sensata. Aquilo não representa todas as religiões que fazem o sacrifício animal litúrgico.
Então... será que essa proibição dos sacrifícios de animais em rituais religiosos nada mais é do que intolerância religiosa? Enquanto isso, tem gente tirando dinheiro de ser humano pobre para enriquecer televisão, eleger prefeito.
Eu, particularmente, acho que se a lei não permitir abate em terreiro não deve permitir abate em matadouro, em casa, em sítio. Um hora, talvez, precisaremos passar por este choque para revermos a nossa relação com os animais, com os alimentos e com o mundo...
E não... não sou vegetariano, estou muito longe disso... nem participo de terreiro que faz sacrifício de animais.  Só acho que a gente está ficando cada vez mais hipócrita.
A gente quer aparecer nas redes sociais se preocupando com uma galinha que vai comida num terreiro e está se esquecendo do ser humano. É claro que uma luta não anula a outra, que a causa animal é importante... que não só a vaquejada é uma diversão baseada no sofrimento animal, mas a nossa churrascada também é.


sexta-feira, 1 de julho de 2016

Beatriz e Tiago



Aos quatorze anos, ele não era um adolescente normal como todo adolescente deve ser. De manhã, ia para a escola. Não sentava nem na frente e nem no fundo, não ficava quieto, mas não era do grupo da conversa. À tarde, ele ia pro inglês e aprendia novamente o que vi nos jogos. Além do inglês, fazia judô. Nunca passou da segunda faixa, mas não achava tão ruim usar o quimono. À noite, revezava seu tempo entre jogos on-line e o pornhub, mas estudava quando estava perto das provas, sobretudo para as provas de recuperação.
Nunca namorou, mas era seu sonho. Todas as noites, antes de dormir, pensava na menina mais bonita da sala, que era disputada pelos caras mais populares das festas que ele ia e nas festas às quais ele não era convidado. Nos seus devaneios, eles eram um casal. Namoravam há tempos, comemoravam datas importantes, trocavam presentes... Na vida real, eles mal se falavam. Pertenciam a grupos tão distintos que não tinha nem como conversar.
Beatriz era inteligente, linda e gostava de ler. Tiago era medíocre, pálido e assistia a filmes dublados. Ela era de classe média, ele era riquíssimo. Um dia, mandou flores, mas não assinou o cartão. Quem entregou foi o coordenador da escola que disse ser de um admirador secreto. Durante as noites, ele sonhava antes de dormir. Durante as noites, ela estudava antes de sonhar.
Aos trinta anos, Beatriz realizará todos os seus sonhos.  

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Rastro de feijão descomido






Fazia três dias que eu não cagava. Eu nunca tinha ficado entupido antes. Na verdade, o meu problema sempre foi o contrário... eu, geralmente, cago demais. O problema é que minha mãe fez uma farofa muito boa no natal e sobrou quase tudo. Como adoro farofa e ninguém aguentava mais comer resto da ceia, me esbaldei naquele balde de farofa temperada. Comi tanto que a merda ficou presa no meu intestino e não saiu nem com reza braba.
Meio envergonhado, pedi ajuda à minha mãe. Me deu laxante. Um quarto do recomendado. Pense num laxante porreta! Estava no curso. Tinha tomando o remédio na hora do almoço, antes de sair. Durante as primeiras aulas, não senti uma pontada sequer no bucho. Achei que não iria fazer efeito e teria de tomar de novo. No intervalo, aproveitei a caminhada até a cantina para peidar um pouco... já estava começando a me sentir aliviado, mas vontade de cagar que é bom nada. Bom... que eu cagaria só em casa, no conforto do meu sanitário.
Fim da aula. Fui sem muita pressa, mas sem a calma de sempre, para o ponto de ônibus costumeiro. Caminho até em casa era breve, mas que se alongava devido ao horário, ao trânsito e à quantidade de pessoas espremidas no coletivo. Consegui pegar lugar sentado. Quase sempre eu conseguia, porque a o curso ficava antes do centro, e lá que subia muita gente. Sentei na janela, pouco antes do meio do ônibus. Ouvia Kate Perry no celular. Gosto muito de Kate Perry, quase tanto quanto de Motörhead.
Estava quase na metade do caminho quando comecei a ouvir um ronco na minha barriga. Não era fome, tinha comido uma coxinha com bastante catchup, mostarda e uma maionese que que ficava quase todo horário de funcionamento da cantina do lado de fora da geladeira. Sabia que aquele ronco significava merda. Comecei a rezar para o ônibus chegar logo. Sabia que iria demorar ainda mais quase uma hora para chegar ao meu destino. A cada freada, era um susto diferente. Queria peidar, mas tinha medo. Queria cagar, mas não podia. Pensei em descer do ônibus e procurar algum banheiro, mas acreditava que conseguiria chegar em casa na hora. Eu tinha de chegar em casa na hora!
A velha que estava sentada do meu lado desceu, sentou uma menina bem bonitinha com a camisa do Helloween. Eu já estava sem os meus fones de ouvido, porque a Kate Perry estava me deixando mais nervoso. Percebi que a menina ouvia Mc Ludmilla. Ela devia achar que a camisa era da festa de halloween, nem devia saber que é de uma banda. No tempo em que pensava nisso, me senti um pouco aliviado, até que o primeiro peido saiu. Queria muito que ele não tivesse sido barulhento e molhado, mas já era. Teria de segurar o cu agora. Uma freada era uma mancha além da minha cueca, mas na minha dignidade.
Pelo jeito, tinha saído mais merda do que eu pensei. Toda vez que o ônibus passava num quebra-molas, eu me sentia escorregando da cadeira. Até que a vontade apertou de vez. Eu já estava preocupado, mas a sensação era de que eu iria explodir pelo furico e eu tive que desapertar o caneco. Saiu merda. Saiu muita merda. Saiu mais merda do que alguém em plenas condições físicas poderia produzir. Era tanta matéria orgânica que eu sentia escorrendo pelas minhas pernas, entrando nos meus tênis e deixando no ar um cheiro de peido no banho incontrolável.
As pessoas começaram a tapar o nariz. A menina ao meu lado disfarçou e pediu parada. Não tinha mais gente de pé, mas as pessoas que estavam sentadas logo se levantavam para abrir as janelas superiores. Alguns arriscavam a colocar a cabeça para fora enquanto o casal de idosos atrás de mim comentava que esse governador desgraçado não estava arrumando o esgoto da região.  Nesse momento, liguei o botão do foda-se. Já estava cagado mesmo, se tivesse que sair mais, que saísse. E saiu. Continuou saindo mais e mais por alguns segundos, talvez minutos.
Enfim, chega meu ponto. Entre o ponto e a minha casa ainda precisava andar uns oitocentos metros. Levantei a alça da minha mochila para ela não encostar na minha calça e segui meu caminho. Os meus pés, mais o direito que o esquerdo, estavam, literalmente, encharcados de bosta. Nos primeiros cinquenta metros, fui deixando um rastro grosso de bosta que se estendeu mais modesto até a porta de casa. Parecia uma vaca, mas ao invés de capim saíam uns carocinhos de feijão.
Cheguei todo cagado. Minha mãe quase vomitou. Mandou eu tirar a roupa no quintal mesmo. Não deu pra reaproveitar a cueca. Não compensava lavar. Enquanto eu seguiavpara o banheiro, minha mãe tapava o nariz com uma mão e empunhava o cabo de uma vassoura na outra. Ela pegou minhas roupas, colocou no tanque e deixou a água correr como se não houvesse conta no fim do mês e tacou todo tipo de produto de lavanderia em cima.
Depois de estar de banho tomado, comecei a rir da história. Pensei como as pessoas do bairro iriam reagir ao ver o rastro de feijão descomido que jamais levaria para uma casa de doces, mas para o primeiro banheiro químico do carnaval de Olinda. E fiquei com certa pena do cara que iria limpar o ônibus depois e encontrar aquela poça de merda fedida nos pés do quinto assento do lado da janela direita. 

sábado, 7 de novembro de 2015

Menor que ninguém

Que sentimento é este que eu não consigo entender agora adulto, mas que fazia todo sentido do mundo quando as barbas ensaiavam olhar o sol?
Que maturidade é esta que me permite guiar, mas não me permite admitir a mim mesmo tudo o que acontece aqui dentro, que pede pra ser gritado, mas que depende, de repente, de um golpe de sorte do destino?
O vazio me enche e o desejo de deixar de existir para viver não tem tanta esperança.
O único motivo é o indesejo da morte, que cada vez chega desmetaforizada e assusta quem devia prezar pela vida.
Isto é um grito!
Um grito no silêncio da minha alma que se cala para deixar a razão dizer; que se perde num campo ermo escondido entre o que existe, mas não deveria se deixar saber.
Eu sou um covarde, um fraco. Um corpo vampiro que suga a energia da vida, mas não aproveita nada, apenas suga pelo egoísmo tolo, já desmistificado, mas que de tão sólido não move um centímetro neste vácuo.   
Eu sou apenas alguém / Ou até mesmo ninguém / talvez invisível / Que a admira à distância / sem a menor esperança / De um dia tornar-me visível"*
Eu sou um pássaro que nunca saiu da gaiola, mas que lutou para conseguir manter aporta aberta, que  se vale da maldade para ser temido, ouvido, mas desacreditado.
Me vendi por tão pouco. Eu me vendi ao diabo por algo que eu já tinha e tenho perdido. Me despedi definitivamente dos meus sonhos e vislumbro, através de uma névoa densa, uma distante luz, que poderia me salvar de mim mesmo e subjugar os metais que me enlaçam impedindo de subir às nuvens.
Caí. Desci. Fui onde ninguém deveria ter de ir. Para completar, não me perco sozinho, mas mato, sugo a vida – até quando? – de quem nunca me fez o mal, mas me impede de querer o bem.   
Este é um grito, um grito covarde, um grito de quem cala, continuará calado, até a morte iminente chegar de vez e acabar com toda agonia que esta vida promissora não me deixou encontrar ou entender.

*supostos versos de Renato Russo.

sábado, 31 de outubro de 2015

Pastor 03



– Pastor!
– Você novamente, irmão? O que foi desta vez?
– É que eu estive pesando...
– É justamente este o seu problema, meu amado! Você pensa demais... deixa as postas de sua mente aberta para o inimigo lhe colocar dúvidas sobre a sua fé! Amém?
– Amém. Mas, pastor, eu oro, faço jejum, contribuo com os dízimos e ofertas, compro todos os livros da igreja... invisto muito dinheiro na Obra do Senhor e não me sinto pleno!
– Meu irmão, esta sua inquietude só quer dizer uma coisa!
– O quê?
– Você precisa participar mais da Obra do Senhor! Amém?
– Amém. Mas como, pastor?
– Você precisa, além de dinheiro, dar o seu tempo para Deus. Por exemplo, o seu dia tem vinte e quatro horas, certo?
– Certo.
– Você dá duas horas e quarenta minutos para Deus?
– Não, pastor... certamente, não!
– Então! Você precisar ser obreiro em nossa igreja! Tenho certeza que o seu coração se encherá de Jesus e você não pensará mais em nada que lhe tire o foco em Cristo. Amém?
– Amém.
– A partir de amanhã, você pode sair do seu trabalho e vir direto para a igreja. Você vai começar pela provação da faxina. Amém?
– Amém...
– E todo final de semana você vai passar aqui!
– Mas e quando eu vou me divertir?
– Amado, você se divertirá aqui na igreja mesmo! O Senhor habitará o seu coração e lhe dará a alegria de Davi.

***
Numa reunião com os obreiros...

– Olha aqui! Quero saber quem foi o safado que pegou a grana dos dízimos e ofertas do culto de ontem à noite! Está faltando muita coisa! Quem era o maldito responsável pelo apurado de ontem?
– Era eu, pastor! Eu dei parte do dinheiro para uma irmã que passava necessidades... ela me disse que estava sem poder comprar alimentos...
– Maldito dos infernos! Como você, seu cretino, ousa tocar suas mãos pecaminosas no meu dinheiro!
– Achei que o dinheiro fosse para obra de Deus!

– E é! E não tem nada que dar para as pessoas! Elas que têm que nos pagar! Maldito seja você! Eu te amaldiçoo, ialamá baloquenchë, jucunataque! 

domingo, 25 de outubro de 2015

Meninas, mulheres




A primeira vez, me senti suja. Ele levantou o meu vestido e tocou em mim. Resisti, ameacei gritar. Foi embora. Não sabia se agradecia a Deus pelo livramento ou o culpava por ter permitido aquilo. Chorei, tomei banho. Enquanto lavava os meus seios ainda muito pequenos que tinham despertado o desejo imundo dele, pensava se aquilo aconteceria de novo.
Da segunda vez, ele veio preparado. Tapou minha boca antes que eu pudesse gritar chamando por alguém que estivesse distante. Tudo era longe. Com a mão livre, ele apertava forte os meus peitos, e enquanto eu sentia seu pau endurecer, ele me alisava entre as pernas. Me lambia o pescoço e cheirava a mão. Um barulho vindo de fora interrompeu sua festa.
Eu pensava o que tinha feito contra Deus para que ele permitisse isso. Antes que eu pudesse pensar em contar para alguém, ele veio até meu quarto à noite. Me ameaçou. Mataria a minha mãe, o meu irmão e depois me mataria. Apertou meu pescoço até me sufocar para provar o quanto sua palavra valia. Chorando, não produzi nenhum som e toda hora tentava não olhar na cara dele. Rezei, mas não dormi.
Desatenta, quebrei um prato enquanto preparava o almoço. Mais do que por esta bobagem, apanhei com cinto, levei murro. Me chamava de puta, dizia que eu era uma vadia. Se minha mãe não tomasse conta, acabaria engravidando de um vagabundo. Chorei, mas sem fazer barulho. Eu tinha ódio, eu tinha muita vontade de fugir, mas não tinha para onde. Xingava Deus por isso.  
À noite, naquele mesmo dia, eu ainda estava toda marcada por conta da surra. Fui dormir cedo, sono leve, preocupado. Meu coração apertava, eu remoía uma culpa que achava ser só minha. Senti aquela mão na minha bunda. Ele puxou minha calcinha, abriu minhas pernas e me penetrou. Sem soltar um pio, tentando nem chorar, virei mulher aos dez anos de idade. Não sei se doía mais lá em baixo ou no meu coração. Se eu pudesse, eu não o mataria. Eu mataria Deus por isso.
Minha mãe quase não falava comigo. Quando falava, era pra mandar fazer alguma coisa. Eu queria contar pra ela, mas achava que ela já sabia. E toda noite ele vinha no mesmo horário. Fazia sempre quase as mesmas coisas. De vez em quando, mandava eu fazer algo nojento. Sem soltar um som, fazia o que ele mandava. Durante o dia, ele me xingava. Não deixava mais eu ir pra escola, porque lá eu viraria puta. Puta era a palavra que mais usava para me agredir. Mal sabia o que era puta, mas eu preferia ser qualquer coisa do que ser eu.


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Pastor 02




– Pastor.
– Sim, meu filho.
– Eu estou com um dúvida.
– Novamente, irmão?! Vejo que o inimigo está implantando a inquietude no seu coração. Se o seu coração não tem Deus, o Diabo toma conta, Amém?
– Amém. Pastor, é justamente sobre o coração que eu gostaria de falar.
– Pode falar, irmão! Deus me deu o dom da palavra, encontrarei a palavra certa para lhe confortar, Além?
– Amém. Pastor, é que eu estou com dúvidas sobre a minha orientação sexual.
– Como assim, irmão?
– Faz um tempo que eu tenho desejos por homens. Vivo trocando de namorada e não consigo gostar de nenhuma.
– Isso é coisa do Satanás! Isso é coisa daquele que quer lhe arrastar da igreja para te jogar numa sauna cheia de veados. O Satanás quer que você gaste todo seu dinheiro com perfumes, roupas de marca... ele está implantando esses desejos no seu coração para você ter cada vez menos dinheiro para o dízimo, para as ofertas e para os propósitos. Deus não gosta de gays, Amém?
– Amém. Mas, pastor, eu estou dando quase todo meu dinheiro em propósitos para esses meus desejos pararem... Eu andei lendo a Bíblia e não vi Jesus condenando em momento nenhum a homossexualidade.
– Mas você não pode confiar só no que sai da boca de Jesus de acordo com o evangelho. Em Levítico 18:22, Jesus fala “Não se deite com um homem como quem se deita com uma mulher; é repugnante”, Amém?
– Amém. Mas, pastor, este livro não foi escrito por Moisés... muitos e muitos séculos antes de Jesus?
– Está vendo, irmão, como o inimigo está te cegando! Antes mesmo de Jesus nascer ele já era Deus... e ele quem falava com Moisés. Amém?
– Amém.
– Olha. Você precisa deixar de frequentar festas. Você vai ficar em casa nos finais de semana lendo os livros que o bispo escreveu. Amém?
– Amém. Mas, pastor, não é melhor eu ler a Bíblia?
– Não, amado. Leia os livros do bispo que ele já leu a bíblia e deixou mais fácil de entendê-la. Pra entender a Bíblia, você precisa estar cheio do Espiro Santo, caso contrário, o inimigo te encherá de dúvidas. Amém!
– Amém, pastor!

sábado, 19 de setembro de 2015

O comedor da escola



Bombado. Notas baixas. Uma ou duas reprovações. Alto índice de ocorrências por indisciplina. O comedor da escola é um sujeito bonito por fora e cheirando a ovo cozido e batata doce por dentro. As meninas o adoram... e ele, geralmente, se aproxima das estudiosas e nem sempre é pra conseguir cola.
Se fosse apenas cola... O comedor da escola já foi pego colando, já foi pego fumando, já foi pego estuprando. “Cu de bêbada não tem dono” é o lema do seu grupinho de amigos, que transcende a Constituição, mas não fere o regimento. Eles têm tempo pra beber, trepar, viajar, mas não estudam...  são os meninos que dormem durante as aulas, porque acordaram muito cedo pra treinar, como eles chamam a ida à musculação.  
Todos bebem com o comedor da escola. Todos resenham com ele. Ele vai embora bêbado das festas com o carro cheio de gente. O próprio carro que dirige aos dezessete anos sem habilitação, sem cinto, sem medo. Chega em Pirangi com a turma, continua bebendo com o som alto. Uma das meninas agora já é mulher. O arrependimento será esquecido nos próximos meses, nos próximos porres, quando passar na Federal.
O comedor da escola não vai passar na Federal, mas vai ser doutor! Já no primeiro semestre do curso de Direito da UnP, consegue estágio no escritório do pai, mas quer ser juiz como a mãe. Maldita OAB! Agora, ele tem de estudar. Com dinheiro, dá-se um jeito. Já tem sala própria, tem alguns clientes importantes...
           Está defendendo um rapaz de dezessete anos. Bombado. Notas Baixas. Uma ou duas reprovações. Alto índice de ocorrências por indisciplina. Uma batida com o próprio carro que dirigia sem habilitação, sem cinto e sem medo. Uma morte de um mendigo que dormia na calçada na madrugada. Causa fácil. Mais uma vitória.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Dos sonhos




Cresceu e não apareceu,
Permaneceu com sonhos, mas outros,
Perdidos, despidos de romantismo,
Abraçados pelo medo do fracasso
Que, de fato, não os alcançaram... ainda.

E o amanhã, sempre longe,
Vem mais perto, mas não se deixa pegar...
E eles mudam, variam, não permitem que a felicidade chegue!
Sempre, sempre, sempre falta.
Falta ar, paixão, metal, ternura, sossego...

E a dor por sofrer por tão pouco
Não é tão grande quanto o sofrimento
Amenizado pela dor pelo outro
Sufocada pela dor egoísta de se ter o que se deseja,
Mas não sabe ao certo o que é.


sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Menino da praia




Menino da praia

Mais um menino, mas não mais apenas um menino.
Aylan não deixa de luto só o seu pai, deixa o mundo num pesar sem fim.
Imagem chocante, imagem forte... dor sem limites!
Sentimentos que se confundem frente ao ódio e a falta de esperança.
Um menino de três anos. Um menino sírio.
Mundo cruel. Humanidade sem limites.
De novo, o mar abriga a morte, abriga um corpo inerte
O corpo de um menino que ainda vive
Um menino que será eterno, símbolo da uma paz necessária.
Menino da praia, nunca esqueceremos de você!
Dê à humanidade a chance conseguir o perdão das almas puras
Ainda sei que a temos esperança... ajude-nos a buscar a paz!
Paz que sempre foi frágil, frágil como um menino,
Rasa como a beira do mar.
Ajude-nos, Menino da praia, a conseguir o perdão dos inocentes.
Imagine que todo sofrimento que você passou foi um sonho.

Agora, mais do que nunca, precisamos da sua luz. 

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Crente que é gente




Carla era uma mulher sem muito amor. Era mãe de dois filhos já na faculdade, mas que moravam com ela. Era filha de pais aposentados que moravam no interior, mas que se falavam todo dia pelo telefone. A protagonista desta curta história era casada há 21 anos, e, durante muito tempo, o seu sonho foi estudar e trabalhar, mas tinha que cuidar da casa, cuidar dos filhos, cuidar do marido e das coisas da igreja.
            Enfim, para a sua felicidade, Carla conseguiu, depois da maturidade, entrar numa faculdade. Ela escolheu uma profissão de status, que lhe conferiria o respeito que ninguém, nem marido nem filho algum, já a haviam dispensado. Catou seus documentos e conseguiu um financiamento federal para estudar Direito numa decente universidade do seu estado. Ah... ela estava tão feliz... agora, como a sua irmã, que era médica formada na Universidade Federal, ela teria algum valor... Direito era um curso muito belo... poderia, além do diploma, lhe conferir dignidade, como se só quem tivesse um título emoldurado na parede tivesse o direito inalienável, como anos atrás, de ter dignidade neste país.
            Foi uma luta terminar o curso... no início, teve que se virar para pagar o material, os livros e ainda pagar pelos trabalhos e provas que não conseguia fazer... Afinal, não é uma, duas ou dezoito disciplinas que não se acompanha bem que fará um estudante universitário sair com menos bagagem, não é mesmo? E assim ela foi... fez os estágios, colou o grau... o marido, nestes cinco anos, havia sido promovido então eles já vinham pagando o FIES para não deixar tudo pra depois...
            O problema, caro leitor ou leitora, é que quando você paga para fazerem seus trabalhos, quando você paga para fazerem seus resumos, fichamentos, só te darem a parte pronta num seminário ou mesmo paga para fazer uma prova em dupla, você acaba saindo da universidade do mesmo jeito que entrou. Agora, Carla era uma doutora como diz no popular, mas não conseguia passar no exame da OAB e, consequentemente, exercer a sua profissão. Tinha um diploma na parede. Tinha apenas um diploma na parede.           
            O problema, sabe, não é nem a falta da carteira da Ordem ou o fato dela ter pago pelos trabalhos, enfim... O problema todo é a sua arrogância... a sua prepotência. Parece que, mesmo não tendo entrado de verdade no mundo do direito, a empáfia que alguns profissionais carregam a acompanha. Por isso, ela arruma briga com o padeiro, com o porteiro, com o professor dos seus filhos... Se um dia você cruzar com ela, não ouse falar em leis, direitos ou constituição em sua frente ou pelas costas, ou você será vítima – sim, vítima – de um discurso armado, pronto, no esqueleto, faltando apenas a cereja, a contextualização temporal e local para que ela tente passar por cima de você...
            Sim... como não conseguiu muita coisa em sua vida, agora, a sua alegria é passar por cima do ego alheio, da moral, da verdade... tudo que estiver acompanhando o seu opositor – todos que não concordam com ela são seus inimigos – será alvo de seus argumentos ancorados no senso comum com algumas palavras-chave prontas, em stand-by aguardando o momento oportuno.
          Quando consegue, raramente, passar por cima de alguém menos instruído, Carla se sente mais gente, mais ser humano, mais advogada formada... o seu marido, pobre coitado, nem entra mais na onda de sua esposa. Ele também participa de sua igreja que prega o amor eterno entre os casais, o ‘felizes para sempre’... e acha que é uma provação o que ele passa... como se o seu deus quisesse que ele sofresse tanto vendo a mulher pregar e ler uma coisa nos púlpitos da igreja e fazer absolutamente o contrário em sua vida real.
            É, meu amigo ou amiga, eu me preocupo muito com este tipo de pessoa que quer se tratorar através das outras, estes parasitas que têm seu ego inflado quando suprimem da forma mais baixa e mesquinha o direito dos outros. Quando eu encontro com Carla, eu finjo que ela ou eu somos um personagem... e tento não levar para o lado pessoal as asneiras que diz. Pra mim, agir desta forma é algo que vai contra o que eu sigo, o que eu prego, o que eu vejo e acredito. Eu creio que o mundo precisa de mais humanidade e menos arrogância. Carla, por sua vez, é crente que é gente. 

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

É medicina. É Federal!


Cara de médica, família de médica. Sonhava desde menina em ser médica. Era uma aluna semiexemplar... tirava boas notas, mas não mostrava muita humanidade. Ela era aquela menina que questiona o professor como um arguidor de banca de pós-graduação, só que sem saber de quase nada. Ao ter o questionamento sempre respondido e contradito, não concordava. Tinha lido em algum lugar que era diferente... O pai, que era médico, disse que tal conceito de biologia era diferente... A mãe, também médica, disse que tal concepção de linguagem era diferente... A irmã, estudante do último período de medicina, disse que o cálculo do problema de matemática era diferente. Estava tudo errado e não tinha argumentos para sustentar sua indiferença.
Médica, sim. Ela seria médica em breve. Claro que passaria no vestibular, mesmo com as cotas injustas que diminuem as chances dos filhos de quem trabalhou a vida inteira para pagar uma boa escola particular. Nicole acreditava em meritocracia. Achava que, ao estar naquela escola de ponta paga pelos seus pais que herdaram a profissão elitista dos seus avós, tinha as mesmas oportunidades de um aluno de escola pública. Não, mentira. Ela não tinha as mesmas oportunidades, na verdade, ela era prejudicada pelas malditas cotas. Malditas cotas! Uma discriminação com quem é negro, porque está dizendo que o negro não tem a mesma capacidade de alguém branco, loiro, de olhos claros e família de médicos.
Nunca maltratou os funcionários terceirizados da escola... mas nunca cumprimentou o porteiro ou o faxineiro... Na verdade, nunca reparou nos faxineiros. Mesmo dispensando uma educação falsa e, por várias vezes, falha aos professores e demais membros da equipe pedagógica, Nicole era a esperança da escola. Teremos, certamente, uma aluna aprovada em medicina este ano e garantir os mesmos resultados dos anos anteriores. Essa menina vai estampar nossos outdoors e fazer campanha com curativos coloridos no nosso site. Vamos ter muitos alunos... Inclusive, ela é boa candidata para tirar nota 1000 na redação.
Mediana. Não foi a primeira colocada. Se não fossem os cotistas, teria até ficado numa posição melhor no SISU. Não importa. O que importa é que Nicole é Federal. Já é médica. Nas suas redes sociais, médica em formação era o que mais se via... mesmo antes da matrícula na UFRN, afinal, ela já estava se preparando há anos para entrar na Universidade. Após a festa, regada a muita carne de primeira e whisky 18 anos, Nicole iria para Miami comprar as suas roupas para começar a faculdade. Trouxe várias sandálias e sapatos brancos, bolsas de marca, roupas de grife... mas o principal era o jaleco. Desde pequena, já tirava fotos com jaleco.
Era muito trabalho. Estudar medicina não é fácil pra ninguém. Estudar medicina e ter uma vida social badalada é mais difícil ainda. Fora as calouradas, era preciso continuar frequentando as festas disputadas do seu nicho social. Mas ela era guerreira. Ao contrário dos cotistas, ela tinha mais inteligência para conciliar os estudos às demais atividades. Ganhou um carro antes da viagem à Miami. Um carro importado, claro, quem é que dirige carro popular na faculdade de medicina? Só quem entrou pela cota. Como aquele carinha que era farmacêutico e aproveitou a cota por ser negro. Nada a ver. Ele já tinha até carro, tinha uma profissão. Como alguém se submete a um programa que te reconhece como alguém inferior?
Passaram os primeiros semestres. Começaram os estágios. Não sei por que tem que estagiar em hospital público também... era mais fácil eu ficar no hospital da minha família, é lá que eu vou trabalhar! E a especialidade? Está chegando o final do curso. Nicole não quer cuidar de criança, detesta crianças. Desta velho também, Deus a livre de ser geriatra. Com cardiologia também não queria mexer, só iria cuidar de velho, gordo e velho gordo. Não era muito chegada a sangue... não queria fazer cirurgia. De problemas de pele, ela também se esquivava... tem cada gente perebenta, não!  Anestesiologia parecia ser uma área legal. Ninguém era anestesista na família. Dava grana e, em tese, era só dar injeção.
Assim que formada, se tornaria a anestesista chefe do hospital. O anestesista que ocupava este posto foi convidado a cuidar dos residentes. Só faria supervisão e, de quanto em vez, iria para a sala de cirurgia. A nova médica da família agora tinha um jaleco de médico. Tinha uma sala de médico. Trabalhava no ramo médico de sua família. E continuava sem enxergar o faxineiro, nem dar bom dia ao porteiro e desconfiando sempre de alguém que fala diferente daquilo que os seus familiares e amigos médicos falam. Médico sabe mais que todo mundo, menos se o médico tiver entrado pela cota.


quarta-feira, 22 de julho de 2015

Pingo de gente



            Era uma pequena creche num bairro nobre. A cada ano, as pessoas tinham menos filhos e, consequentemente, diminuía o número de alunos. Sem falar, também, que algumas escolas grandes estavam começando a oferecer vagas em período integral para bebês a partir de quatro meses, uma forma de fidelizar a clientela, pois o aluno sairia de lá direto para a universidade, se passasse, claro.
            A dona não queria ver o negócio começado pela sua mãe falir. Já havia demitido funcionários, vendido o terreno ao lado que servia de estacionamento, mas as contas não fechavam. Não tinha jeito: ou as pessoas começavam a fazer filho, ou em pouco tempo a sua creche iria falir. Ela deveria bolar um plano, fazer alguma coisa... não dava pra competir com as grandes escolas, mas dava pra tentar fazer com que as pessoas tivessem, por bem ou mal, mais bebês.
            A primeira coisa que pensou foi aumentar a quantidade de sexo entre os moradores da região. Descobriu um produto na internet que fazia as mulheres terem um tesão louco. Pensava que os homens não resistiriam às mulheres enlouquecidas. Foi em muitos lugares que as mulheres frequentavam na calada da madrugada de uma segunda-feira e pingou o produto nas bebidas preferidas do sexo feminino. Infelizmente, pros seus planos, não deu certo. Os motéis ficaram lotados, a cidade andava mais alegre, leve, mas as mulheres já tinham a cultura dos anticoncepcionais e os homens eram acostumados a andar com camisinhas.  
            Claro. Não pode haver procriação com o uso de contraceptivos. Mais uma vez, na calada da noite, Carolina foi sozinha, pelas farmácias da cidade para roubar todos os anticoncepcionais e preservativos das farmácias e postos de saúde, mas logo as pessoas resolveram o problema. Começaram a encomendar nas farmácias das cidades vizinhas, receberem por correios, etc. Era inviável recolher todo aquele material, além disso, ela tinha um problema: onde colocaria o roubo de semanas? Ela devia criar um novo método.
            O fracasso em conseguir fazer com que bebês novos fossem gerados, fez a nossa heroína da família tradicional pensar em algo infalível desta vez. Ela ia partir para a ignorância. Contratou dois capangas e começou a sequestrar homens e mulheres da região. Eles era trancafiados na fazenda de sua família, em um ambiente muito confortável, com vinho, flores e velas decorativas. Era inevitável. Carolina pingava o tal produto no vinho e os mantinha por algum tempo na fazenda até que um possível efeito do anticoncepcional terminasse. Batata!
            Em nove meses, os hospitais da cidade estavam lotados. Em mais seis meses, já não havia vaga nas escolas grandes para que os novos bebês fossem matriculados. Já não era sem tempo! A creche Pingo de gente estava, novamente, com sua lotação máxima e rejeitando novos bebês. Todos saíram ganhando com o pano infalível de Carolina.