Páginas

sexta-feira, 17 de julho de 2015

No inferno




– Seja muito bem-vindo, Irmão Roberto!
– Quem é você? Onde estou?
– Tenho muitos nomes, mas você pode me chamar de Satã.
– Como assim? Estou no inferno?
– Não... imagina. Aqui é o paraíso! 
– Sério?
– Claro que não! Eu estou mentindo. Não é você mesmo que passou anos me chamando de Pai da Mentira?
– Por que eu vim parar no inferno?
– Ora! Você pecou.
– Mas eu me arrependi.
– Mesmo?
– Claro! Aceitei Jesus há 23 anos.
– Isso não quer dizer que você se arrependeu. É até pior, Irmão Roberto, porque você se confiou nisso e não fez nada pelo próximo, não deixou de fazer muitas coisas contra si e contra os outros.
– Como assim! Sou dizimista, dei muita oferta!
– HAHAHAHAHAHA...
– Fiquei 23 anos sem beber e fumar... Minhas filhas não usavam roupas curtas, não namoraram antes da hora. A minha mulher foi uma serva também.
– Justamente contra sua família que você mais pecou. Quantas vezes suas filhas quiseram ir à praia, a uma festa e você proibiu?
– Claro! Elas iriam se desviar.
– E a sua mulher? Coitada. Não podia trabalhar fora, você a impediu de manter as amizades que não foram da igreja... ela não podia sair sem você, mesmo você sendo um crápula antissocial... Nem visitar a família no interior você a deixava!
– Uma serva de Deus esposa de presbítero deve dar o exemplo!
– E você?
– Sempre dei o exemplo.
– A pornografia que você assistia o tempo todo não era um vício? Os julgamentos que você fazia não eram exemplo? A falta de carinho à família, fazer suas filhas passarem vergonha com os amigos, negar um jantar num bom restaurante a sua esposa no aniversário de casamento para garantir o dinheiro da igreja não era pecado?
– Não. Era para honrar meus propósitos com Deus.
– Seus propósitos! Você se alegrava com a morte de bandidos, queria que os menores infratores fossem exterminados. Você queria que os ateus, espíritas e católicos sofressem até largarem as suas crenças e aderissem a sua igreja.
– Esta é a vontade de Deus!
– Você nunca ajudou uma pessoa que precisasse.
– Dar esmolas é sustentar a vagabundagem...
– Quem está falando de esmolas? Como alguém que ocupa um cargo religioso, você só agrediu, só menosprezou os outros, só fez as pessoas ao seu redor se sentirem menores diante de suas qualidades...
– Mas...
– Está vendo? Por isso você está aqui... aqui é o seu lugar!
– Deus não faria isso comigo! Você está mentindo!
– Você acha que Deus, que tem o universo inteiro para cuidar está preocupado com você, um simples homem da Terra? Fique à vontade e aproveite o lago de fogo e enxofre.
– Espere!
– O que foi?
– O que são aquelas pessoas de branco resgatando os enfermos?
– Ah... são os espíritas.
– Então o inferno não é eterno... tem uma saída?
– Não pra você.
– Como assim?
– Você sempre acreditou que o inferno e o paraíso eram eternos. Então, pra você eles são.
– Como assim?
– Argh, quanta burrice! Olha, quando você morre, o seu espírito tem o destino que você acreditava que teria quando estava encarnado. Os ateus, por exemplo, não vêm pra cá e nem para o céu, o seu espírito desaparece.
– Não acredito! Eu também quero ser resgatado, eu quero sair daqui!
– Você não acredita nisso.
– Se a questão é a crença, acreditei que iria para o céu.
– Mas você cometeu pecados.
– Quem vai para o céu não cometeu pecados?
– Claro! Todos que foram para o céu cometeram pecados, mas eles não acreditavam que viriam para cá por causa disso.
– Isto é injusto!
– HAHAHAHAHA... Vai me falar sobre injustiça? Não fui eu que criei as regras.
– Meu Deus! Por favor, senhor Satã, me deixe sair daqui.
– Não posso.
– Mas...
– Preciso ir. Aproveite o lago...

Nenhum comentário: