Páginas

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Preciso ouvir Eu Te Amo

Sozinho dentro de um ônibus, olhei para a entrada do CEFET e vi um casal apaixonado. Um casal de adolescentes que parecia não se importar com o resto do mundo... não ligavam se tinha gente olhando e os repudiando – mesmo não fazendo nada de mais – ou até, de certa forma os invejando.
Sempre que eu chego na faculdade sou recebido com carinho pelos meus amigos e amigas, as meninas me abraçam me dão beijos no rosto e algumas até dizem: - “Olá, meu amor!”. Eu sei que esse amor que elas se referem não é aquele amor apaixonado, amor de mulher para um homem, e, sim, um amor de amigo ou irmão. Esse amor talvez nem seja verdadeiro ou recíproco, mas toda palavra de carinho é agradável aos ouvidos e ao coração.
Eu sou do tipo daqueles namorados que precisam estar o tempo todo junto, sempre querendo beijos e abraços; sou daqueles que a todo o momento dizem, ou tentam dizer, palavras doces. Eu digo: - “Eu Te Amo” para minha linda e amada namorada e recebo como resposta um “Eu sei” ou um “Obrigado”. Quem é que gosta de receber estas respostas? Poxa! Ela podia dizer até um Eu Te Amo, vez ou outra, mesmo que falso ou sem paixão como minhas amigas, isso não iria humilhá-la, pelo contrário, no máximo me deixaria mais confiante, mais seguro... não digo nem mais apaixonado, já que acredito ser isto impossível.
O pior é que eu sei que ela gosta de mim. É... eu acho! Sei que ela talvez não se sinta à vontade para ficar falando isso. Acho que seu medo é dizer e eu começar a usar isso em meu favor e mudar meu jeito, meu comportamento, sai lá... Não sei o que isso quer dizer... Ora... Se não sei acho que ninguém sabe, sei lá...
Ela reclama que sou ciumento, inseguro, e outras coisas mais, mas ela não me demonstra seus sentimentos, ela diz que gosta, porém não fala o quanto é esse gostar.
O que me consola, ou o que penso me consolar, é que pelo menos eu sei que quando ela falar Eu Te Amo suas palavras serão verdadeiras, e digo mais: se forem tão sinceras, como o brilho que há em seu olhar logo que termina um de nossos longos e quentes beijos, eu não sei se aguentaria, mas sei que lágrimas em meus olhos não irão faltar.

2 comentários:

Não tenho nome .... tenho dedos que se identificam no teclado disse...

E quem quer saber o tamanho do amor? Poucos! Apenas os poucos que sequer sabem sentir. aos outros tantos outros, o sentir é sentido porque sentem em si o sentir que faz sentido. E basta!
Não queira ouvir cordas vocais gritando "eu te amo", deixe que os corações gritem silenciosos "eu te amos" refletidos em olhares lânguidos e beijos quentes.

Mark Tindo disse...

Pode parecer típico, mas pros auditivos recomendo o "Não Digas Nada" de Fernando Pessoa.
E parabéns pelo blogue!